Diretrizes para implementar

Porque nem sempre a terra produz bastante para fornecer ao homem o necessário?”, ao que a espiritualidade responde: “É que, ingrato, o homem a despreza! Ela, no entanto, é excelente mãe. Muitas vezes, também, ele acusa a Natureza do que só é resultado da sua imperícia ou da sua imprevidência. A terra produziria sempre o necessário, se com o necessário soubesse o homem contentar-se …”

Livro dos Espíritos, cap. V, q.705

Por que Saber Ambiental?

Segundo o Enrique Leff, o saber ambiental desemboca no terreno da educação, questionando os paradigmas estabelecidos e abastecendo as fontes e mananciais que irrigam o novo conhecimento, vai descobrindo as relações de poder que atravessam as correntes do saber em temáticas emergentes, para despontar na qualidade de vida como fim último do desenvolvimento sustentável e do sentido da existência humana.

A construção deste novo saber remete a uma pergunta sobre o mundo, sobre o ser e o saber, implicando em uma transformação do conhecimento e das práticas educativas para uma nova racionalidade que orientam a construção de um mundo de sustentabilidade, de equidade, de democracia. “É um re-conhecimento do mundo que habitamos” [Enrique Leff, 2003].

 

 

 

Programa Saber Ambiental

Quando buscamos o entendimento e a vivência espírita, surge-nos, consequentemente, a consciência planetária, pois estamos aqui e agora neste planeta onde todos que o habitam passam pelo processo regenerador. Temos, também, muito clara a responsabilidade de cuidarmos de um cenário e de um espaço que acolherá as nossas futuras encarnações, bem como as de milhares de espíritos que seguem o fluxo do aprendizado reencarnatório. Diante disso, o Espiritismo tem um dever fundamentalmente de contribuir para uma reflexão profunda sobre nossa ação em relação aos bem naturais que nos foram oferecidos como recursos para nossa sobrevivência; por outro lado, poderá sugerir a proposição de comportamentos, pensamentos e atitudes que impulsionem a vida harmônica do planeta.

O Programa Saber Ambiental vem contribuir com a Federação Espírita do Rio Grande do Sul, nessa reflexão e consequentemente, na sociedade contemporânea em que está inserida.

Objetivo Geral

Sensibilizar o movimento espírita para a sua missão de contribuir na transformação da Realidade Ambiental do Planeta Terra, aportando e disseminando seus conhecimentos doutrinários, e ampliando os paradigmas de compreensão da necessidade de cuidarmos dessa Casa que nos acolhe na trajetória de experiências rumo ao progresso espiritual pela via da reencarnação. 

Alguns dos Objetivos Específicos

  • orientar os centros espíritas para a necessidade de cuidarmos do meio ambiente com a finalidade de cooperarmos com uma vida sustentável no planeta para nós e para as gerações futuras;
  • estudar e debater mais em detalhe os temas ambientais sob a ótica espírita;
  • desenvolver campanhas e eventos que visem melhorar as condições socioambientais.;
  • reduzir as impressões e correspondências, enfatizando o aspecto ecológico do correio eletrônico.
  • estimular a pesquisa nas obras básicas e demais obras de excelência da Doutrina Espírita para melhor compreendermos a necessidade de cuidar do planeta e fundamentarmos as ações e as campanhas de sensibilidade ecológica;
  • promover uma ética ambiental alicerçada na fraternidade preconizada pelo Cristo e no sentido mais amplo de família universal que se pode apreender do Espiritismo.

Na prática, nos centro espíritas…

No intuito de auxiliar em ações que contribuam na implementação do Saber Ambiental nos centros espíritas, destacamos a seguir aspectos importantes a serem considerados e exemplos de ações. Há de se considerar sempre o contexto em que cada centro espírita está inserido – social, ambiental, geográfico, mobilizações e prioridades locais, entre outras.

  1. Respaldar e disseminar a proposta na instituição

As proposições e desdobramento de ações do Saber Ambiental deve ser reconhecido e acreditado pelas lideranças do Centro Espírita, permitindo espaço de diálogo a respeito do assunto, identificando uma ou mais pessoas que se identifiquem e estudem alternativas de ações. Enfim, apoiar e orientar conforme as diretrizes administrativas é fundamental.

  • Oportunizar espaço para dialogar junto aos departamentos e setores, refletindo coletivamente quanto ao envolvimento de cada tarefa conforme especificidade – administração, comunicação, doutrinário, promoção social, família, evangelização…

 

  • Impulsionar equipe, setor, assessoria, abrangendo a representatividade da casa, buscando apoio técnico de voluntários – pessoas físicas, instituições correspondentes, legislações, políticas públicas

 

Exemplificar o discurso

Além de apoiar, a administração do Centro Espírita deve dar o exemplo. A expressão “faça o que eu faço” valerá mais que muitas palavras. Isto é, inserir no dia a dia dos trabalhos, cuidados que reduzam o impacto ambiental, gerar novos hábitos e multiplica-los em muitos outros espaços, pois as pessoas que frequentam e trabalham no Centro, compõe lares, ambientais profissionais, lazer, escolas, universidades, levando consigo essa atitude.

  • Observar e consumir de forma consciente – energia, água, materiais para desenvolvimento das atividades, pois tudo que usamos está baseado em recursos naturais

 

  • Pensar antes de produzir resíduos, reduzindo o consumo de materiais descartáveis , de papéis, de impressões, etc.

 

  • Divulgar informações em meio virtual e murais, reduzindo o consumo de papel

 

  • Adotar produtos e serviços que sejam coerentes – produtos de limpeza biodegradáveis, materiais gráficos, banners, faixas, que venham de uma lógica de reaproveitamento, reciclagem

 

  • Separar os resíduos produzidos e destinar corretamente, observando as alternativas locais para benefício ambiental, social e econômico

 

  • Incluir plantas nos ambientes do Centro Espírita, tornando-os mais agradáveis e influenciando a sensação de bem-estar, desde que observadas as características das plantas (toxicidade).

 

  • Considerar o aspecto ambiental no uso de transporte para que possa ser compartilhado entre mais pessoas; de equipamentos que consumam menos energia; de construções que contemplem iluminação e ventilação natural e até mesmo, a partir de materiais que privilegiem o reaproveitamento e a reciclagem de outros materiais.

 

Inter-relação doutrinária

Ao demonstrar na prática a atitude de cuidado social e ambiental, o Centro Espírita tem espaços importantes para levar seu público à reflexão da responsabilidade do cuidado com o ambiente em que mora, com sua região, com seu país, com o planeta como um todo, a partir de ações e escolhas diárias.

  • Incluir em palestras, refletindo questões do mundo contemporâneo à luz da doutrina

 

  • Convidar facilitadores e dirigentes de grupos de estudos a revisarem e analisarem os programas de estudo – Ciede, ESDE, considerando o processo de reforma íntima, o cuidado com nossas vidas, com o espaço em que todos estamos vivendo

 

  • Integrar obras da Doutrina Espírita e que contemplem a temática ambiental na livraria, na biblioteca

 

 

  • Incluir aspectos de cuidado ambiental nas Preces e Irradiadores, contribuindo para psicosfera planetária e o agir mais atencioso aos seres e aos recursos naturais no dia a dia

 

Toda prece elevada é manancial de magnetismo criador e vivificante e toda a criatura que cultiva a oração, com o devido equilíbrio de sentimento, transforma-se, gradativamente, em foco irradiante de energias da Divindade.”

Missionário da Luz – André Luiz

 

 

Evangelização e Família

A sociedade inicia na família, já nos apresenta a Lei da Sociedade. Trabalhar a visão de integração a todos os seres e reconhecer que o ambiente que nos cerca também é de nossa responsabilidade, inicia desde pequeno. Por isso, o potencial que a Evangelização apresenta em sua programação é precursor nesse processo, necessitando reforçar com a família esse olhar, pois pais e responsáveis são o exemplo, ampliando a sensibilização.

  • Refletir junto com crianças e jovens, oportunizando mobilização na Casa e no seu entorno – mensagens, murais, matérias de comunicação, gincanas, plantios, campanhas, oficinas, etc.

 

  • Promover atividades junto à família oficinas de reaproveitamento de materiais, visão de ecologia interior (o cuidado com meu ambiente interno), contação de história, etc.

 

Promoção Social

A esfera de atuação do Centro muitas vezes é ampliada para potencializar a cidadania de muitas pessoas, desde os aspectos básicos – alimentação, vestuário, encaminhamentos conforme políticas públicas, até a participação em mobilizações locais em prol da saúde, da educação, entre outros. De igual forma, aspectos ambientais estão relacionados diretamente com benefícios sociais.

  • Impulsionar pessoas e instituições assistidas pela assistência social do Centro a participarem de oficinas para geração de renda a partir do reaproveitamento de materiais, orientando quanto à importância de sustentabilidade própria ao compartilhar informações e atividades

 

  • Incentivar voluntários na participação junto ao público e ações na sociedade civil. O movimento espírita contribuindo para articulação pela melhor qualidade de vida – atenta às demandas sociais, as políticas públicas, instituições parceiras, outras religiões….

 

Comunicar e esclarecer

As ações e os resultados fortalecem-se e tomam abrangência maior quando são conhecidos e compreendidos pelas pessoas. Um conservacionista do Senegal já dizia: “Conservamos somente aquilo que amamos, amaremos somente aquilo que entendemos, entendemos somente aquilo que nos é ensinado.” Por isso, divulgar, exemplificar e esclarecer é fundamental.

  • Informar ao público as ações que a Casa assume, esclarecendo o propósito, envolvendo as pessoas – fotos, textos, cartazes

 

  • Convidar para eventos promovidos com esse caráter, sejam da Casa, da UDE, da Fergs, da sociedade civil em consonância com o propósito

 

  • Encaminhar as ações e resultados ao Saber Ambiental e ao Decom/Fergs, fortalecendo a essa mobilização integradora e cooperativa, em prol da vida.

 

 

Perspectivas

Essa mobilização em prol da vida, impulsionada por tantos centros espíritas existentes em nosso estado e compartilhado por outras religiões, permite que valores morais e éticos sejam fortalecidos, contribuindo para a regeneração de nossa casa planetária, a Terra.

  • Estreitar ainda mais a relação doutrinária e ecologia no entendimento das Casas, das pessoas com o atual momento vivido pela sociedade

 

  • Atuar junto ao movimento espírita como protagonista para o mundo de regeneração juntos aos vários atores da sociedade

 

  • Impulsionar essa reflexão em nível federativo nacional

 

 

Referências Bibliográficas

KARDEC, Allan. O Livro dos Espíritos. Brasil, FEB,1944, 65ª edição

XAVIER, Francisco Cândido. A Caminho da Luz. Brasil, FEB,1939. 22ª edição.

______. O Consolador. Brasil, FEB,1940, 18ª edição.

LOUSADA, Vinícius. Educação para a Vida. Manuscritos, Porto Alegre, 2007

LEFF, Enrique. Saber Ambiental: sustentabilidad, racionalidad, complejidad, poder. Me Mexico: Unam, 1998.

TRIGUEIRO, André. Espiritismo e Ecologia. Rio de Janeiro, FEB, 2009.

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s